Conexão Digital
28/01/2016
Dicas que 9 empreendedores de sucesso queriam saber aos 22

    Aos 22, você normalmente está terminando a faculdade, entrando no “mundo real” e embarcando na sua jornada profissional. Olhando para trás, talvez você deseje reescrever seu passado - ou talvez você esteja contente com as decisões que fez naquele momento de sua vida. De qualquer maneira, existem algumas coisas que você queria saber na época mas que já sabe hoje.

    É por isso que o LinkedIn perguntou para os empreendores de maior sucesso de todos os campos para escreverem no editorial “Se Eu Tivesse 22” (“If I Were 22”, no post original).

    Líderes que são figuras de referência e influência compartilharam posts repleto de dicas valiosas para aqueles que estão entrando no mercado. Aqui está o que eles disseram:

    Jim Kim: Conheça pessoas de diferentes níveis sociais e entenda o mundo delas.

    Quando o presidente do Banco Mundial estava com 22 anos, ele estava um pouco infeliz. Ele estava no segundo mês do primeiro ano na Harvard Medical School, onde ficava acordado diversas noites memorizando anatomias dos livros de estudo. “Parecia mesmo uma decepção”, ele escreveu.

    Anos mais tarde, Kim viajou para o Haiti, Peru e para a Sibéria, trabalhando em comunidades pobres e disvantajadas. Enquanto muitas pessoas que ele conhecia não possuiam quase nada e eram analfabetas, ele diz que elas eram incrivelmente sábias, e você seria um ignorante se substimasse elas.

    “Ouça os pobres, porque suas aspirações são tão altas como de qualquer um e todos precisamos enfrentar a tarefa de fazer um mundo mais inclusivo e justo”, ele disse.


    Robert Herjavec: Sonhe mais alto.

    “Se eu pudesse dar qualquer conselho para o Robert Herjavec de 22 anos, ele seria bem simples: sonhe mais alto,” escreveu o investidor do programa “Shark Tank”, game show norte-americano.

    Herkavec diz que aos 22 ele não sonhava alto o bastante - e é por isso que ele não entendia muito bem como focar sua criatividade em algo tangível. “Eu não sabia como traduzir minhas habilidades em uma carreira que eu amasse”, ele explica. “Se eu soubesse que podia fazer essas coisas, eu teria feito mais cedo”.

    Ele diz que investe em pessoas jovens que sonham alto. “Evan e Nick da Tipsy Elves desistiram de carreiras de sucesso que pagavam bem para pular de cabeça no mundo maluco de suéters de Natal”, ele conta. “Ashely da Natual Grip (empresa que vende luvas especiais para exercícios físicos) correu atrás da sua visão com toda garra, fazendo seus primeiros 150 pares de luvas a partir de materiais jogados fora no escritório de seu marido. Todos eles sonharam alto e fizeram acontecer com o que eles tinham em mãos. Eles se ensinaram ao longo do caminho e através de uma tonelada de erros, mas eles nunca teriam tentado sem os sonhos iniciais”.


    Arianna Huffington: Há tempo suficiente para as coisas importantes na vida.

    “Se eu pudesse voltar no tempo, eu introduziria a mim de 22 anos uma frase do escritor Brian Andreas: ‘Tudo mudou no dia em que ela descobriu que há tempo suficiente para as coisas importantes na sua vida.’”, escreveu Huffington.

    A Editora-chefe do Huffington Post aponta que a cultura do mundo atual é obececada pelo tempo. “É a nossa crise de déficit pessoal”, ela diz.  Se ela tivesse ouvido aquela frase quando tinha 22, Huffington diz que isto teria salvo ela da “situação perpetuamente irritante e estressante que ela passou durante tanto tempo”.

    Se sentir pressionado - ou quando não temos tempo suficiente para terminar o que queremos - é também conhecido como “tempo faminto”, tendo consequências reais, “de extreme estresse à satisfação diminuída da sua vida”, ela explica. “Por outro lado, o sentimento de ter tempo suficiente, ou mesmo tempo extra, é chamada ‘tempo afluente’. E mesmo que seja difícil de acreditar, é possivel de se alcançar”.

    Huffington completa: “Enquanto o sucesso for definido por quem trabalha por mais tempo, quem fica mais tempo sem tirar férias, quem dorme por último, quem responde email à meia noite ou às cinco da manhã - em resumo, quem está sofrendo da maior fome de tempo - nós nunca vamos conseguir aproveitar os benefícios do tempo afluente”.


    Adena Friedman: É OK mudar de ideia

    Depois de dedicar a maior parte dos anos na faculdade estudando ciências políticas, ela foi atrás de um MBA (Master in Business Administration, em inglês) na Universidade de Vanderbilt. Hoje ela é a presidente da Nasdaq, um dos maiores mercados de ações do mundo.

    Assim que você muda de ideia, “você está firmemente na liminar de uma carreira que você tem esperanças e que vai te recompensar com algo significativo, expandindo as oportunidades nos anos seguintes”, ela explica. “No ambiente de trabalho, isto se transforma no poder do sim - a porta que vai levar a mais portas nos anos que virão”.

    Ela também aconselha jovens profissionais em pensararem com cuidado sobre o primeiro empregador e de ter certeza que a empresa vai providenciar espaço para crescimento e desenvolvimento ao longo do tempo. Ela sugere que você pergunte a sí mesmo: é este o tipo de organização que vai reembolsar minha lealdade oferecendo novas tarefas e projetos ou respondendo quando eu pedir a eles proativamente? É esta uma organização onde bom trabalho leva a oportunidades melhores a longo prazo?


    Ian Callum: Trabalhe 10% a mais que os outros.

    “Continue alguns quilômetros a mais”, escreve o diretor de design da Jaguar. “Uma coisa que eu aprendi cedo: esse 10% de esforço vai fazer uma diferença de 100%. Realmente faz”.

    E se sua ética de trabalho não parecer produzir resultados, acredite que isso vá melhorar: “Quando comecei a trabalhar, eu queria que alguém me falasse: ‘Não se preocupe. Em quatro ou cinco anos, o que parece muito tempo mas não é, você estará em um lugar totalmente diferente. Acredite em mim’. É importante entender isso”.


    Sallie Krawcheck: As coisas não vão ficar mais fáceis, mas vão ficar melhores.

    O proprietário e um dos diretores da Ellevate Netowork e ex top executiva de Wall Street escreve que ela gostaria de ter construído um estoque de conhecimentos aos 22 anos.

    Ela relata que gostaria de ter anotado tudo o que funcionou e não funcionou para ela; o que ela gosta ou não; no que ela é boa e no que ela não é; o tipo de trabalho que serve para ela e o que não serve; e onde suas paixões se encontram e o que a deixa sem interesse.

    Ela diria a Sallie de 22 anos que “ainda não será fácil decidir o que você quer fazer: nos meses seguintes,você vai ser rejeitada por todas as grandes firmas de Wall Street […] mas você eventualmente encontrará a firma certa. […] Vai ser muito divertido. Não todos os dias, mas a maior parte deles. Você vai ser muito rejeitada. Vai precisar aguentar firme para passar por isso. Ah, e trabalhe duro. Isso realmente importa. Por favor, vá no médico e veja sobre aquela marca no seu ombro. E o cara que você está namorando? Péssima ideia. Sério”.


    Richard Branson: Todo mundo merece uma segunda chance.

    O recado do fundador do The Virgin Group, conglomerado britânico multinacional de capital de risco, para ele de 22 anos? Não deixe que os erros do passado definam você - ou qualquer outra pessoa.

    “Não sou a mesma pessoa que eu era há 42 anos. Já não sou a mesma pessoa de 2 anos atrás”, ele escreveu. “Nós mudamos, aprendemos, crescemos. Continuar a castigar as pessoas pelos erros que fizeram no passado não é só ilógico, é totalmente errado”.

    “Seja o tipo de pessoa que aceita a oportunidade de mudança, tanto em você quanto nos outros”, ele aconselha. “Todos nós merecemos uma segunda chance. Na próxima vez que você tiver a chance de dar uma segunda chance a alguém, não pense duas vezes”.

     

    Maynard Webb: Sonhe alto, execute mais alto ainda.

    “Se você está disposto a sonhar e então trabalhar duro e executar de forma certa, você pode alcançar muito mais do que você sonhou”.

    É isso que o presidente da Yahoo gostaria de saber aos 22 anos.

    Depois que seu pai faleceu quando Webb ainda era criança, a família passou por momentos difíceis, e o mundo de Webb pareceu encolher. “Nós perdemos o ar condicionado, a água quente, a TV, e quase perdemos a oportunidade de sonhar em uma fase complicada em que só pensávamos em sobreviver”, escreveu ele.

    Aos 22, ele tinha acabado de se formar na faculdade e trabalhava como guarda de segurança na IBM. “Meu maior sonho”, lembra ele, “era se tornar um gerente na IBM e ter minha casa própria”. Ele não percebia quão alto ele poderia chegar. Mas “uma boa linhagem, por mais que seja uma escada, não é a única maneira de chegar aonde você quer”, ele percebeu. “A única maneira que chegar onde você quer é realmente indo atrás - chegar, bater na porta, e então atravessá-la”.

     

    Naomi Simson: O trabalho não se lembrará se você sacrificou o fim de semana, mas seus amigos irão.

    Simson, fundadora do RedBallon e ex gerente da Apple, diz que ela aprendeu aos 22 a importância de nutrir relações pessoais e deixar o trabalho de lado.

    Simson diz que naquela época ela trabalhou nos fins de semana em várias ocasiões, e em um desses fins de semana um amigo de faculdade estava indo de Chicago para Nova York para visitá-la. Infelizmente, a IBM tinha pedido a ela que trabalhasse naquele fim de semana, e Simson diz que foi uma escolha difícil.

    “Eu disse ao meu gerente que não poderia trabalhar naquele dia. Dwin e eu tivemos um ótimo fim de semana explorando a cidade. Ele é o padrinho da minha filha e nós nos vemos regularmente”, Simson escreveu. “A IBM não se lembra que não trabalhei naquele fim de semana. Dwin se lembraria para sempre”.

    “Eu encorajaria minha versão aos 22 anos a ter um momento para nutrir as amizades - em pessoa. Ligue para eles, planejem coisas, façam algo juntos - compartilhe experiências. Ria alto todos os dias. Uma ‘cutucada’ no Facebooks não mantém amizades (não que existisse coisas como redes sociais quando eu tinha 22)”, ela conta.

    Traduzido por Bruno Bach via Business Insider